sábado, 19 de janeiro de 2013

Falando mal


Em determinada ocasião um “ex” sugeriu que eu fizesse uso deste espaço para destilar meus impropérios a respeito da vida alheia de terceiros...
Seguindo sugestões vou iniciar homenageando o tal do “ex”...  
Quer melhor do que falar mal do estropício... Do pobre estorvo do qual já se fez uso!
Esse “ex” no inicio do namoro estava magro, mas como é cheio de síndromes e neurose não se conteve e deve vir a explodir em breve.
(Ouvindo Pagu como trilha sonora...).
Nunca comentei, mulher não deve falar tudo ao homem com o qual se relaciona... Mas... O coitado percebia que quando passava um cara sarado eu quebrava meu pescoço para olhar as beldades.
Amo homem sarado e com pegada firme! Alto com cara de homem másculo e canalha.
Os canalhas são perfeitos... Homem bonzinho é só fachada, esses é que trazem sofrimento. Os cafajestes só trazem alegrias, prazer e satisfação... Uma delicia!
Homem na faixa etária dos quarenta anos e com um corpo semelhante ao hipopótamo não realiza, a não ser quando sai de cima literalmente...  Ronca demasiadamente, ocupa muito espaço físico na cama e para completar é lento... Não é algo agradável aos olhos...
Coitado do gorducho!  De quebra o bonito requebra, ele tem um lado Lady Gaga, meigo, delicado, um estilo *qualquer dia saio do armário e me liberto amiga!*
Eu nunca falei o motivo do meu péssimo humor! Kkkkk... Mas... Era falta de atividade amorosa!
Olhar para um tiozão balofo comendo uma pizza inteira e ingerindo um pet de refrigerante não é nada sensual... Nesse ritmo não existe clima!
A bolota me faz lembrar o rabicó, aquele porquinho do sitio do pica pau amarelo! Eu só enxergava o rabicó em meio à protuberância abdominal... E para conseguir um pouco de alegria era necessário fazer uso das diversas técnicas de persuasão elogiando o esfarrapado, gordo com baixa estima e deprimido não trabalha!

Um comentário:

  1. Seu passa tempo é mesmo ficar reparando nas limitações das pessoas não é mesmo? mas pra quem se acha tão melhor que os outros como você, me admira vincular humor com atividade amorosa, afinal depender disso para ser um pouco mais agradável é realmente ser pobre no sentido mais triste de "ser" pois nem as putas precisam disso para serem felizes, ao contrário, são infelizes; porém existem as mais infelizes que estas (como você) que fazem tudo sem cobrar nada...na esperança de, como você, melhorarem seu humor.
    Como pode ver também tenho meu veneno, mas diferente de você tenho minha doçura.

    ResponderExcluir